<$BlogRSDUrl$>

segunda-feira, março 08, 2004

Graves problemas afectam colegas espanhóis, Vigilantes da Natureza também os enfrentam! 

Os Vigilantes da Natureza de Portugal enfrentam idênticos problemas, sendo que os mesmos são normalmente abafados!
Também não vêm divulgadas as suas acções, intervenções e trabalhos efectuados, sendo que não fazem exclusivamente fiscalização, estes serviços superam muito, seja em número seja em qualidade, os números apresentados pelo SEPNA, só não têm a devida atenção dos responsáveis dos diversos serviços, assim como não possuem um eficaz Gabinete de Imprensa como a GNR tem!!


"Agentes rurales denuncian las agresiones de cazadores en el Delta

El cuerpo de 25 agentes rurales de las Terres de l'Ebre ha sufrido en poco más de dos meses cinco intentos de agresión y amenazas, según denunció ayer la Agrupació d'Agents Forestals de Catalunya de Comisiones Obreras. El incidente más grave se registró la madrugada del pasado siete de febrero, cuando “un cazador disparó intencionadamente contra dos agentes que estaban realizando un control de caza nocturna”, según mantiene el sindicato. En todo el 2003, se contabilizaron tres incidentes –amenazas e intimidaciones, pero en ningún caso disparos– entre cazadores y agentes rurales en las Terres de l'Ebre. Y en el 2002, ninguno. Es por esto que el coordinador general de la Agrupació d'Agents Forestals alerta de “un incremento desmesurado de la actitud agresiva de algunos cazadores furtivos”.

La presunta agresión se produjo en la zona conocida como Nicovan, en el término municipal de Deltebre. Según la versión del sindicato, los agentes recibieron un primer disparo cuando se dirigían a inspeccionar al cazador que les acabó agrediendo. Tras cambiar de rumbo para llegar al cazador desde otro lado, recibieron un segundo disparo. “La intencionalidad era clara”, concluye Coll, quien destaca además que la noche de la agresión “la visibilidad era alta gracias a la luna, que estaba detrás del cazador e iluminaba a los agentes, que se encontraban en un camino de la finca”.

Tan sólo el hecho de que los disparos se realizaron desde una distancia de 80 metros y el tipo de munición utilizada evitaron que los dos agentes fueran heridos de gravedad. A pesar de que recibieron el impacto de los perdigones, éstos tenían ya poca potencia. Los agentes agredidos interceptaron finalmente al cazador y presentaron una denuncia en el juzgado de Tortosa por un presunto delito de atentado contra los agentes de la autoridad.

Se da la circunstancia que la presunta agresión se produjo cerca del lugar en el que la noche anterior una patrulla de los agentes rurales decomisó 35 patos de caza no autorizada. “Esto podría haber motivado los disparos del cazador”, argumentó l'Agrupació d'Agents Forestals. Durante el fin de semana de la agresión, los agentes presentaron hasta 14 denuncias por diferentes infracciones cometidas por los cazadores, como cazar especies no autorizadas –se decomisaron 49 aves– o usar armas repetidoras de cinco cartuchos, que están prohibidas. Ante el incremento de agresiones, CC.OO. ha solicitado una reunión urgente del comité de seguridad y salud del cuerpo de Agents Rurals.

El sindicato solicita además que se compren urgentemente nuevos chalecos antibalas, “ya que los actuales están caducados”.

ESTEVE GIRALT - Deltebre

Roberto Naveiras
www.agentesforestales.net 26/02/2004"

Uma medida acertada, vão ser mais de 20.000 Guardas a "lutar" pelo nosso bom Ambiente! 

Encontrando-se presente em todo o território nacional com mais de 20.000 Guardas, mais uma vez a Guarda Nacional Républicana vai entrar em acção, especial destaque deverá ser dado ao SEPNA, pois mais uma vez a sua elevada experiência e competência vão ser postas à prova.

Secretário de Estado do Ambiente vai propor - GNR CONTROLA LIXO

O secretário de Estado do Ambiente quer responsabilizar os cidadãos pela separação selectiva de lixo. Para isso, vai transformar um dever cívico numa “obrigação legal”, com coimas a variar entre os 25 e os 100 euros, e quer pôr os municípios e até a GNR a fiscalizar o seu cumprimento.

Quem não separar o lixo pode pagar até 100 euros
“A separação do lixo começa em casa”, afirmou ontem ao Correio da Manhã José Eduardo Martins, sublinhando “que os cidadãos, e não só os sistemas e os municípios, também têm de ser responsabilizados”.

Sem querer instituir a penalização a todo o custo, já que a ideia é que o cidadão use os ecopontos na sua rua, o secretário de Estado considera que os valores razoáveis se situam “entre os 25 e os 100 euros”.

A fiscalização dos cidadãos irá ficar, segundo José Eduardo Martins, “a cargo dos município e até da GNR”. Quanto à forma como essa fiscalização poderá ser exercida, o governante não tem dúvidas: “o lixo fornece provas de quem o fez, pelo que através dele pode-se chegar ao cidadão”.

A Quercus considera a aplicação destas multas uma medida "impraticável", que "esconde a incompetência" do secretário de Estado.

O Governo vai também impor aos gestores do lixo o pagamento de uma taxa anual proporcional à facturação ou quantidade de resíduos recebidos.

Um exemplo que devemos seguir! 

"SETE NOVAS ÁREAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL

A criação de sete novas áreas denominadas RPPN's - Reservas Particulares do Patrimônio Natural, em território baiano eleva para 56 o número dessa categoria de Unidade de Conservação, de âmbito federal, existente no Estado.

As novas RPPN's criadas na Bahia, são: Reserva Ecológica Rio Capitão, com área de 385,49 ha, localizada no município de Itacaré, no Bioma Mata Atlântica; Das Dunas, no município de Camaçari, com 78 ha, no Bioma Restinga; Mãe da Mata, no município de Ilhéus, com 13 ha, no Bioma Mata Atlântica; Serra Bonita III, no município de Pau Brasil, com 150 ha, no Bioma Mata Atlântica; Serra Bonita II, no município de Camacan, com 50 ha, no Bioma Mata Atlântica; Serra Bonita I, no município de Camacan, com 200 ha, no Bioma Mata Atlântica e, finalmente, Serra Bonita, no município de Camacan, com 800 ha, no bioma Mata Atlântica.

As portarias de criação das novas RPPN's foram assinadas em Brasília (DF) na última sexta-feira (27) como parte das comemorações pelos 15 anos do Ibama, completados no último dia 22 de fevereiro. O ato contou com a presença da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, e do presidente do Ibama, Marcus Barros. Na ocasião, foram criadas 24 RPPN's em todo o Brasil.

A expectativa, segundo a responsável pelo NUC - Núcleo de Unidades de Conservação, Ana Santagelo, é que brevemente sejam criadas novas RPPN's na Bahia, aumentando dessa forma o número de área protegidas no Estado. Atualmente, segundo ela, existem sob análise pelos setores competentes do Ibama em Brasília, cerca de 50 novos processos de criação de Reservas Particulares de Proteção Natural, sendo 39 no Bioma Mata Atlântica, 8 no Bioma Caatinga e 3 no Bioma Cerrado.

Atualmente a área total que se encontra protegida no Brasil através da implantação das RPPN's é de 445.892,65 hectares. São ao todo 427 Reservas Particulares do Patrimônio Natural. Elas são áreas privadas e têm como objetivo conservar a diversidade biológica local. São classificadas como Unidades de Conservação de Uso Sustentável. Em seu interior podem ser desenvolvidas atividades como a pesquisa e a visitação, com objetivos recreativos, educacionais e turísticos."



Ibama/BA


Uma situação que parece já se verificar em Portugal! 

Ecoturismo pode prejudicar animais, dizem ambientalistas

O ecoturismo está tendo um impacto importante sobre a vida selvagem e pode estar colocando em perigo a sobrevivência dos animais que as pessoas estão se aglomerando para ver nessa atividade, disseram pesquisadores.

Biólogos e ambientalistas estão preocupados porque ursos polares, golfinhos, pingüins e outras criaturas estão ficando estressadas, perdendo peso e algumas estão morrendo, devido ao aumento da presença humana em seu ambiente. "Os indícios são crescentes de que muitos animais não reagem bem a turistas em seu quintal", diz a edição desta semana da revista britânica de divulgação científica "New Scientist".

Os efeitos imediatos que os pesquisadores observaram são mudanças de comportamento, de ritmo dos batimentos cardíacos e dos níveis de hormônios do estresse. Mas eles temem que isso possa ficar muito pior, e, no longo prazo "colocar em perigo a sobrevivência da vida selvagem que os turistas querem ver".

Apesar de o dinheiro gerado com o ecoturismo, que tem crescido 10% a 30% ao ano, trazer grandes benefícios para países pobres e pessoas vivendo em áreas rurais, a União Mundial de Conservação e alguns governos temem que nem todos os projetos sejam aprovados e baseados em políticas amigáveis para o meio ambiente, diz a revista.

"A transmissão de doenças para os animais selvagens ou mudanças repentinas da saúde deles através da perturbação de rotinas diárias ou aumento dos níveis de estresse, apesar de não aparentes para o observador casual, podem se traduzir em taxas de sobrevivência e procriação menores", disse à "New Scientist" o pesquisador Philip Seddon, da Universidade de Otago em Dunedin, na Nova Zelândia.

Cientistas observaram que golfinhos da costa nordeste da Nova Zelândia adquirrem um comportamento frenético quando os barcos de turistas chegam. Mudanças similares no comportamento foram observadas em ursos polares, e pingüins em áreas visitadas por ecoturistas estão tendo filhotes menores.

Ambientalistas estão pedindo mais pesquisas sobre o impacto do ecoturismo sobre os animais e dizem que a indústria deve se desenvolver cuidadosamente. Eles também pedem estudos antes de novos projetos de ecoturismo serem lançados. "O bem-estar dos animais deve estar acima de tudo porque, sem eles, não há ecoturismo", disse Rochelle Constantine, da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia.


Globo.com 04/03/2004


Mais de mil espécies de aves estão ameaçadas de extinção! 

Conclusões de relatório da BirdLife International

Mais de mil espécies de aves estão ameaçadas de extinção

A expansão da agricultura em África e a destruição indiscriminada das florestas estão a ameaçar a vida selvagem nos trópicos, pondo em risco a sobrevivência de mais de mil espécies de aves. Esta é a principal conclusão de um novo relatório da organização BirdLife International, uma aliança mundial de grupos conservacionistas, que hoje é tornado público.

O documento, intitulado "Estado das Aves do Mundo 2004", apresenta pela primeira vez os resultados da investigação sobre aquelas espécies e a sua distribuição geográfica a nível mundial. Para os biólogos, as aves constituem um "indicador" do estado global do ambiente. "O declínio das população destas espécies em muitos pontos da Terra é um motivo de preocupação, pondo em evidência uma falha fundamental no modo como tratamos o ambiente natural", pode ler-se no relatório.

Algumas das principais conclusões são consideradas muito preocupantes: uma em cada oito aves, num total de 1211 espécies, enfrentam a extinção; a expansão da agricultura em África ameaça metade das áreas reservadas de aves naquele continente; a silvicultura não sustentada está a pôr em perigo 64 por cento da totalidade das espécies ameaçadas, na sua maioria nos trópicos; 67 por cento das espécies autóctones das ilhas oceânicas estão em risco devido à invasão de espécies exteriores aos ecossistemas locais; um total de 129 espécies de aves estão consideradas extintas desde 1500.

"O relatório apresenta provas inequívocas de que estamos a perder aves e outras formas de biodiversidade a um ritmo alarmante e cada vez mais rápido", afirmou à Reuters Michael Rands, director da BirdLife.

O documento apresenta igualmente algumas histórias de êxito na defesa de aves, provando que alguma coisa pode ser feita para impedir a extinção de espécies. Entre outros exemplos, é citado o caso de um albatroz de pequena envergadura que se considerava estar extinto até terem sido redescobertas pequenas colónias na ilha de Torishima (Japão), em 1950. Desde então, a gestão desse "habitat", em conjugação com o desenvolvimento, na região, de práticas piscatórias que não matem acidentalmente albatrozes, permitiu elevar a população recenseada para 1200 casais.


publico.pt 08/03


This page is powered by Blogger. Isn't yours?